2 de março de 2015

#desabafos

A distância dói-me. Dói-me no coração, dói-me na pele, dói-me naquilo que sou e que não sou. Naquilo que não sei ser sem ti. Fazes-me falta, já te disse? Sei que voltas. Mas não poder ouvir a tua voz, não poder ver-te no momento mais inesperado, não poder sentir-te, minha paz, por perto, tira-me tanta da minha felicidade. Sabia que me ia custar, mas não assim... Dói-me no peito. Acredita em mim. Dói-me mesmo, cada vez que vejo o teu nome e o sinto distante. E te sinto distante. Lá longe. A milhares e milhares de quilómetros. Deviam inventar um teletransporte, sabes? De certeza que já estaria nos teus braços a chorar estas lágrimas.

Volta depressa. Um beijo.

2 comentários:

Andreia Morais disse...

A distância desarma-nos e massacra-nos, precisamente porque nos impede de estarmos com quem mais queremos

A Beira dos 30 disse...

Que texto lindo!

Parabéns.