1 de junho de 2012

Serás, eternamente, um dos meus maiores podres. E isto que digo não tem nada a ver contigo. Tem, simplesmente, a ver comigo e com o meu enorme coração.

1 comentário:

Anónimo disse...

Que verdade!