7 de abril de 2012

Por cá está um cheirinho que me deixa derretida. Uma mistura de Nina Ricci com Lady Million *.*

E, paralelamente, estás tu. Deitado na cama, triste, desfeito. Adivinho-te as lágrimas nos olhos e a dor no peito. Adivinho-te todas as dúvidas, todas as perguntas que fazes a ti próprio. Sem saberes das respostas. Sem encontrares uma justificação coerente que te leve à compensação de todo o sofrimento que agora sentes. E eu, sem saber o que fazer. Porque as palavras escritas eu sei-as, mas as ditas não. E nem há nada, neste momento, que eu te diga e que possa amenizar esse teu aperto no coração. Até a mim, só de te olhar, me dói o coração.
E a compaixão transforma-se agora em dor. Em lágrimas. Não vás, poderia dizer-te. Mas é por ti, é por eles. É pela qualidade de vida do teu filho e da tua esposa. Meu Deus, que vida é esta que nos leva p'ra longe de quem amámos de verdade? Meu Deus! Que pais é este? Que mundo é este?
Que sofrimento é este? Que ninguém suporta. Eu sei-o. Melhor que ninguém. O melhor sempre é pensar que o tempo passa rápido e que num abrir e fechar de olhos, estaremos de volta. Aos nossos lares, à nossa vida, à nossa família, ao nosso amor.


Aguenta-te. Por eles. E por mim, também.

1 comentário:

Incógnita disse...

não conseguimos compreender o porquê de existir sofrimento e é mesmo difícil de aceitar que só assim é que nos tornamos mais fortes..