12 de agosto de 2011

A Cor dos Anjos#2

"«Oh pá, da maneira que está o mundo... pelo menos a miúda não sofreu». Cães. Antes ladrassem. Antes me esquecessem, os que me querem consolar assim. Coitados. O que é que eu diria a um tipo que perdeu a filha? - e por sua culpa?
Porque fui eu o culpado, sim. Há um ano que o shrink anda a tentar convencer-me que não, mas por mais mortais encarpados que faça ao Froid, eu sei que tenho culpa. Pelo menos de não ter morrido contigo. Sim, ao menos que tivessemos morrido nos braços um do outro, ao menos que eu tivesse podido beijar-te, sussurrar-te que tudo aquilo era apenas um pesadelo, que daqui a pouco acordarias e tudo estaria bem, como quando tinhas seis anos e bastava contar-te uma história de palavras mágicas. Tu estavas a passar uns dias na casa de uma amiga, doruntown, e lembraste-te de ir matar saudades do pai. Matar saudades, caraças. E o esperto do pai tinha decidido ficar mais um bocado na cama com uma namorada, para aproveitar bem a alforria temporária. Sofrias tanto, por causa dos namorados. Mas eu sabia limpar-te as lágrimas. Levava-te ao colo até ao espelho, fazia-te rir, no fim já acreditavas que o azar era deles.
E quer o shrink que eu volte a namorar. Fácil de dizer. Encontro-te, dia após dia, hora a hora, em cada rapariga. Vou pela rua e vejo-te, todas as adolescentes de cabelo laranja ou lilás (mudavas muito de cabelo) se parecem contigo. O que é estranho, porque tu eras incomparável. A princípio gritava o teu nome. Cheguei a correr atrás delas, e agarrá-las. Agora continuo a ver-te, mas calo-me. Já sei que não podes ser tu - convenço-me de que não podes ser. Fui ao kinko's fotocopiar trezentos flyers com a tua cara, recortada de uma fotografia de férias, com os meus telefones por baixo, em números grandes. Passei dias a colar essas fotocópias pelas paredes da cidade. Nova Iorque estava coberta de fotocópias de sorrisos desaparecidos, com números de telefone garrafias. Durante semanas, que eu estiquei até ao Inverno, havia aquela esperança que tu estivesses em qualquer lado, que tivesses conseguido fugir de alguma maneira, por alguma escada esquecida."
Continua...

A Cor dos Anjos, de Inês Pedrosa

2 comentários:

Ás de Copas disse...

fiquei completamente arrebatada *.*

Alison disse...

sim, mas também há raparigas que gostam, e muito -.-
acho horrível!