21 de março de 2011

balanço



Amei-te, sim... Na verdade, sinto que foi muito mais que isso. Não sei descrever, nunca soube. Tudo o que te escrevi não passaram de rascunhos e tentativas, não passaram de textos em busca da resposta a todos os porquês a que me fui questionando durante todos estes meses. No fundo, o meu coração exigia que te escrevesse. Exigia que te dissesse tudo aquilo que tinha para te dizer. E como não valia a pena dizer-te, decidi escrever.
Amei-te, sim... Talvez porque vi nos teus olhos o céu e em ti uma maneira de lá chegar. E, na verdade, nunca lá cheguei. Estive(mos) lá perto, sim. Aliás, pelo menos eu senti-me lá perto, tu não sei... Nunca me falaste nisso. Nem quero que me fales, pelo menos agora é tarde de mais. O passado é demasiado doloroso para mim. E digo-te mais, custa-me mais recordar as coisas boas do que as coisas más. As coisas más são dolorosas, sim, muito mesmo. Mas as coisas boas trazem-me saudade e, para mim, a saudade é o pior sentimento do mundo.
Amei-te, sim... Às vezes pergunto-me porquê e na maior parte dessas vezes não obtenho resposta. Mas há outras vezes em que tenho mil e umas respostas a essa pergunta. Não quero com isto dizer que tens dupla personalidade, não me interpretes mal, por favor. Já chega de o fazeres. Quero dizer que apesar de todas as divergências, de todas as confusões, e de mais umas tantas coisas, eu sempre gostei de ti. Não como no primeiro dia, mas de uma forma muito mais forte que no primeiro dia. Aliás, todos os dias me sentia mais e mais apaixonada e todos os dias me questionava sobre o que fazer para mudar isso. Porque precisava de o fazer, urgentemente. Não fui feliz assim, acredita. Não fui feliz a falar contigo, a dar-te o meu apoio, a ajudar-te, ... Não fui feliz a fazer tudo isso e não poder fazer muito mais.
Não vou dizer-te que ultrapassei tudo isto! Estaria a mentir-te. Nem posso afirmar que já não sinto nada por ti. Estaria a enganar-me!
Para acabar, devo dizer-te que te quero do meu lado. Perdoa-me por tudo. Diz-me tudo o que tiveres a dizer, eu ouvir-te-ei. Mas não me deixas, amigo. Por favor.

2 comentários:

Danii disse...

É mesmo querida xD
Ainda bem que gostas :)
Este texto está lindo! Percebo-te tão bem $':

RaquelSousa . disse...

- tão lindo!