25 de fevereiro de 2011

(não) é para sempre



Para sempre viverás no meu mundo, é um facto. Não é que o mereças, mas é aquilo que o meu coração decidiu fazer contigo. Não lhe agradeço isto, de todo! Preferia ter-te conseguido arrumar num cantinho isolado onde os sentimentos fossem neutros e onde tudo se resumisse a «nada»! Porque no fundo é isso que tu mereces, que te trate como ou quase como nada! Que te ignore e que te resuma o teu papel na minha vida a algo absolutamente insignificante.
Sei que nunca conseguirei pôr em prática tudo aquilo. Por mais que tente, chego sempre à conclusão de que é tarde demais. Já passou muito tempo e as coisas não mudaram. Mudaram apenas para ti. Para mim continua tudo na mesma. Na m-e-s-m-a.
Às vezes parece-me que já não me corre sangue nas veias e que tenho um coração que se esvai... Porque sinto que mais que batalhe, por mais saídas que tente, por mais caminhos que percorra, vou sempre teu ao encontro da tua marcante e desesperante ausência. Como se algo me dissesse que, se esperar, um dia voltarás para fazer desaparecer os vestígios de todo este tempo em que não estiveste, de todo este tempo em que a única coisa que senti, para além do meu amor por ti, foi a tua falta. Talvez esse dia nunca chegue, talvez nunca apagues nada nem te importes com tal. Talvez continues a ignorar aquilo que sinto por ti e talvez continues a ser frio comigo ao ponto de não teres consideração por tudo o que fiz e sinto por ti.
Não quero continuar aqui à espera que venhas e que apagues todas as minhas mágoas do passado e que me faças começar tudo de novo contigo a meu lado. Até porque duvido que esse dia chegue. Não quero continuar a pensar em ti como se fosses indispensável na minha vida. E sei que vais deixar de sê-lo nem que seja para eu manter o meu orgulho e fazer-te ver que não me vais ter a rastejar aos teus pés durante muito mais tempo. Não quero continuar a tapar-me com a almofada cada vez que tiver vergonha de mim própria por andar a bater com a cabeça na parede e não parar.
Não quero olhar para ti como algo que continuo a desejar. Quero olhar para ti, dizer-te «olá» e «xau» e nem pensar que um dia me passaste pelas mãos e me enganas-te.
E se para sempre viverás no meu mundo, agora é por amor, mas um dia destes pode ser só porque me cruzei contigo em ventos do passado.

2 comentários:

RuteRita disse...

maravilhoo !
amo o teu blogue

Ché disse...

amo o teu blogue, pá (: